Mensagens ‘olá’ e ‘tchau’ foram transmitidas cérebro a cérebro da Índia para a França


Pascual-Leone: estes experimentos representam um primeiro passo importante na exploração da viabilidade complementar a comunicação baseada na linguagem (Reprodução/GRAU C, GINHOUX R, RIERA A, NGUYEN TL, CHAUVAT H)
Em um estudo pioneiro, uma equipe internacional de neurocientistas e robótica demonstrou a viabilidade de uma comunicação direta cérebro a cérebro entre seres humanos.

Esquema do experimento

Os pontos-chave para comunicações cerebrais : esta imagem mostra a área do cérebro que os pesquisadores visaram para produzir fosfenos, flashes de luz que apareceram na visão periférica do sujeito

Os sujeitos emissor e receptores estiveram separados por 8.000 quilômetros

Publicada na revista especializada PLoS ONE, a nova descoberta descreve a transmissão bem-sucedida de informações, através da Internet, entre os cérebros de pessoas localizadas a 8.000 quilômetros de distância.

“Queríamos saber se pode haver comunicação direta entre duas pessoas mediante a leitura da atividade cerebral de uma delas e da inserção desta atividade cerebral na segunda pessoa, e fazê-lo através de grandes distâncias físicas, mediante o aproveitamento dos canais de comunicação existentes”, explica o co-autor da investigação, Alvaro Pascual-Leone, diretor do Centro de Berenson-Allen para a estimulação cerebral não invasiva no Beth Israel Deaconess Medical Center (BIDMC) e Professor de Neurologia da Harvard Medical School.

“Uma dessas formas é, naturalmente, a Internet, por isso a nossa pergunta foi: “poderíamos desenvolver um experimento (…) para estabelecer uma comunicação direta cérebro a cérebro entre indivíduos situados longe um do outro, especificamente na Índia e na França? A resposta foi sim”.

Pascual-Leone, junto a Giulio Ruffini e Carles Grau, liderando uma equipe de pesquisadores da Starlab Barcelona, ​​e Michel Berg, chefe de uma equipe Axilum Robotics, Strasbourg (França), conseguiram transmitir corretamente palavras como “olá” e “tchau” em uma comunicação cérebro a cérebro, mediada por computador, de um lugar na Índia para outro na França, através do uso da Internet, vinculada a um eletroencefalograma (EEG) e a tecnologias de estimulação magnética transcraniana (TMS), guiada por imagens e assistida por robôs.

Estudos anteriores sobre a interação cérebro-computador, baseados em EEG, já demonstravam o uso da comunicação entre o cérebro humano e o computador. Essa nova investigação, porém, acrescentou um segundo cérebro humano em outro extremo do sistema.

Quatro participantes saudáveis, de 28 a 50 anos, atuaram no experimento. A um deles – utilizando a interface cérebro-computador – coube o papel de remetente das palavras; os outros três utilizaram a interface computador-cérebro, com a finalidade de receber as mensagens e compreendê-las.

Usando EEG, a equipe de investigadores traduziu pela primeira a saudação “olá” e “ciao” em código binário e, em seguida, enviou por e-mail com os resultados da Índia para a França. A interface computador cérebro transmitiu a mensagem ao cérebro do receptor através da estimulação cerebral não invasiva. Os indivíduos receberam a transmissão sob a forma de flashes de luz em sua visão periférica. A luz apareceu em sequências de números que permitiram o receptor decodificar a informação contida na mensagem. Embora os indivíduos tenham relatado não sentir nada, receberam corretamente as saudações.

Uma segunda experiência similar foi realizada na Espanha e na França; o resultado final revelou uma taxa de erro total de cerca de 15%: 11% na área de descodificação e 5% na parte inicial, de codificação.

“Mediante o uso da neurotecnologia de precisão avançada como o EEG sem fio e os TMS robotizados, fomos capazes de transmitir diretamente, e de forma não invasiva, um pensamento de uma pessoa para outra, sem que estas precisassem falar ou escrever”, explica Pascual-Leone.

“Este é um passo importante na comunicação humana, contudo ser capaz de realizá-lo através dessas distâncias é uma importante amostra do desenvolvimento das comunicações cérebro a cérebro. Acreditamos que estes experimentos representam um primeiro passo importante na exploração da viabilidade complementar da comunicação baseada na linguagem”.

 

Anúncios